Céu limpo com poucas nuvens

Segunda | 1 Junho

28C

30

20

Descubra o País < voltar

Observação de pássaros

Cada ilha tem a sua espécie

28/06/2010 | Fonte: Por Soltrópico, Operador Turístico

Fotos: © Hilda Teófilo

A importância das aves tem sido reconhecida e aproveitada pelo homem desde há milhares de anos. Em Cabo Verde, não há animais ferozes nem venenosos. Em todas as ilhas podemos apreciar um conjunto de aves, algumas migratórias, vindas temporariamente da Europa e África e outras endémicas.

Passamos a enunciar as mais características, para que os amantes de bird-watching as possam identificar aquando da sua estada nas Ilhas de Cabo Verde.

Ilhas do Barlavento

1. Sal

Pernalonga

Caracterizada pelos seus fantásticos pés longos e vermelhos, que durante o voo se estendem até cerca de 20 cm atrás da cauda, e pelo seu bico longo e delgado. Em Cabo Verde só lhe é conhecido um lugar de produção, nas salinas da ilha do Sal.

Contrastando com a sua elegância, esta ave caracteriza-se igualmente pelo seu canto estridente.

2. Boavista

Rabil

Das aves que se reproduzem em Cabo Verde, esta é uma das mais raras. Apenas se reproduz nos ilhéus da Boavista: Curral Velho e Baluarte. Apresenta uma estrutura de cerca de 1m de comprimento, no entanto as suas asas podem atingir cerca de 2,5 m de largura.

O macho adulto possui uma característica muito própria: uma mancha vermelha no pescoço, envaidecendo-o quando corteja a fêmea.

3. Santo Antão

Toutinegra

Esta ave típica da ilha de Santo Antão, caracteriza-se pelas diferenças existentes entre o macho e a fêmea. Enquanto o macho possui uma coroa negra, a da fêmea é castanha. Ave muito alegre com um canto ruidoso durante todo o ano. Alimenta-se de insectos e frutos pequenos.

A época ideal para a reprodução é depois da época das chuvas, podendo por vezes verificar-se na Primavera. Esta ave vive na copa das árvores, no entanto poderá ver-se com frequência em jardins.

4. São Vicente

Milhafre

Encontra-se nas encostas, vilas e povoações onde se alimenta de peixes e animais mortos e de todo o tipo de lixo. Constrói o ninho nas escarpas das montanhas e superfícies rochosas.

Esta espécie encontra-se actualmente em vias de extinção, provavelmente devido às capturas. Existiu antigamente em São Vicente e São Nicolau.

5. São Nicolau

Galinha-da-Guiné

Esta ave encontra-se actualmente nas ilhas de São Nicolau, Fogo e Maio. Ave com um canto bem conhecido e frequentemente ouvido. Animal proveniente do continente africano, foi introduzida há séculos em Cabo Verde.

Vivem em grupos nas vertentes de montanhas ou em áreas de reflorestação. Durante o dia estas aves gostam de se expor ao sol como as galinhas domésticas e ao anoitecer formam grupos para dormirem juntas nas árvores.

Ilhas do Sotavento

6. Santiago

Passarinha

Ave muito conhecida da ilha de Santiago, possuindo uma coloração muito característica: azul, preta, branca e vermelha, esta ave é na opinião dos amantes de bird-watching, uma das mais belas que se encontram nas ilhas de Cabo Verde. Manifesta-se pelo seu canto estridente e só existe nas ilhas de Santiago, Fogo e Brava.

7. Maio

Cotovia

Ave predominante da Ilha do Maio. A sua presença é, por vezes denunciada pelo seu canto sonoro, semelhante ao som de uma flauta, solto frequentemente durante o voo. Quando voa, as suas manchas pretas e brilhantes das asas tornam-se visíveis. Esta ave pode ser igualmente apreciada na ilha da Boavista.

8. Fogo

Gon-gon

Ave marinha que nidifica nos locais montanhosos das ilhas do Fogo, Santo Antão e São Nicolau. Só nidifica em Cabo Verde e em ilhéus perto da Madeira. Ave em vias de extinção, uma vez que em Cabo Verde o Homem rouba os seus ovos e captura a própria ave para fins medicinais.

9. Brava

Cagarra

Embora exista um reduzido número desta ave marinha em S. Nicolau, Santiago e Santo Antão, é na ilha Brava que se encontram as maiores colónias.
 
Ave de cor cinzenta escura, a cagarra só põe um ovo por ano. Encontra-se em vias de extinção, uma vez que é vítima da acção dos pescadores, que lhe roubam os ovos e capturam os seus filhotes nos ninhos.

Comentários