Céu limpo com poucas nuvens

Terça | 20 Agosto

28C

30

20

Notícias < voltar

Fogo vai receber empreendimento turístico de luxo

Projeto Alóe Vera será executado por fases.

24/02/2016 | Fonte: www.sapo.cv | SAPO c/ Lusa

Vulcão do Fogo | Foto Lusa

A ilha do Fogo vai receber um empreendimento turístico de cinco estrelas ligado à produção e transformação de aloé vera, um investimento estimado em 53 milhões de euros, de um consórcio com sede no Dubai.

Segundo a agência Inforpress, o empreendimento contempla a construção de um hotel de cinco estrelas, 'spa', áreas destinadas à produção industrial e transformação de aloé vera, zonas de apartamentos e vilas e ainda espaços destinados à atividade comercial, numa área superior a 10 hectares.

O projeto será executado por fases, estando previsto na primeira fase a construção de um hotel de cinco estrelas com 150 quartos, num investimento a rondar os 28 milhões de euros.

Na segunda fase avança a produção e transformação de aloé vera, num investimento de 25 milhões de euros, enquanto a terceira fase irá incidir no imobiliário destinado ao turismo.

Prevê-se que o empreendimento Aloé Vera Therme venha a assegurar cerca de 200 postos de trabalho diretos e entre 120 e 150 indiretos, atraindo uma média anual de seis mil turistas.

O empreendimento, cujas obras deverão arrancar ainda este ano, será construído por um consórcio com sede no Dubai, cujos membros são originários da Áustria, Alemanha, Itália e Emirados Árabes Unidos.

Uma missão de representantes do consórcio chegou hoje, dia 24, à ilha do Fogo para uma visita ao terreno onde será edificado o empreendimento, além de deslocações a outras zonas emblemáticas da ilha como Chã das Caldeiras, São Filipe ou a estância balnear de Salinas.

Para o autarca de São Filipe, Luís Pires, trata-se de "um projeto emblemático com uma combinação exemplar de turismo de luxo, sustentabilidade ambiental e integração da população" que irá "promover o desenvolvimento de um turismo de saúde de alta qualidade" e garantir "centenas de postos de trabalho permanentes".

Comentários