Céu limpo com poucas nuvens

Terça | 23 Maio

28C

28

22

Viva Cabo Verde < voltar

Rabelados querem abrir as suas portas ao mundo

A comunidade esteve fechada por muitos anos

28/08/2014 | Fonte: www.sapo.cv | Susana Duarte

Fotos

  • A arte dos Rabelados
  • Misá em Espinho Branco
  • Espinho Branco
  • Espinho Branco
  • Espinho Branco
  • Espinho Branco
  • Misá em Espinho Branco
  • Funcos de Espinho Branco
  • A arte dos Rabelados
  • A arte dos Rabelados
  • A arte dos Rabelados
  • A arte dos Rabelados

A arte dos Rabelados1 de 12

A comunidade esteve de portas fechadas por muito tempo, mas agora quer dar-se a conhecer aos artistas, turistas, alunos de escola e quem mais os quiser ir conhecer.

A comunidade surgiu em 1940 com a substituição dos padres locais por outros enviados de Portugal. A vinda destes padres proponha uma renovação da Igreja em Cabo Verde. Esta alteração significou a mudança dos costumes referentes às missas e outras manifestações católicas.

"O catolicismo em Cabo Verde foi implantado com os padres franciscanos em 1750. Eles tinham o costume de circular pelas ilhas e arranjar família e filhos no local onde estivessem, eles eram muito poderosos e respeitados", contou Misá, uma activista cultural da comunidade.

Além de polígamos, os padres guiavam-se pelas bíblias do antigo testamento. "Quando essa delegação portuguesa chegou a Cabo Verde para analisar o estado do catolicismo em Cabo Verde, eles deram-se conta que estava muito bem preservado pelos padres franciscanos, mas eles todos eles tinham as suas próprias famílias", explicou Misá.

"Foram mandados novos padres que traziam uma única bíblia, as pessoas que não aceitaram esta mudança foram chamadas de Rabelados, foram perseguidas e as suas bíblias foram queimadas", acrescentou.

Acabou por se criar uma comunidade de pessoas renegadas com uma visão mais antiga do catolicismo, bastante crentes no animismo e espiritismo.

"Eles acreditam que têm de cuidar da sua casa espiritual que não é aqui na terra, mas aquela que eles vão encontrar na eternidade, por isso é que eles consideram que Amílcar Cabral não morreu, por que é um espírito que conseguiu cumprir a sua missão na Terra e entrou na eternidade", explicou Misá.

Durante muito tempo a comunidade foi itinerante, construindo as suas casas a que deram o nome de funcos. A sua reunião começou a fazer-se naturalmente no interior de Santiago.

Em 2000, o chefe da comunidade decidiu reunir a comunidade em Espinho Branco e foi lá onde começaram a ser construídas as casas de forma tradicional, "a que eles chamam de presépio". A crença era que, a partir de 2000, o fim do mundo estaria para breve e para esse momento deveriam estar juntos.

Com a entrada de Misá na comunidade, os rabelados começaram a abrir as suas portas a outros visitantes e actualmente já é possível a todos conhecer os Rabelados.  

Para quem quiser passar uma noite num dos funcos da comunidade o valor é de 1000$00 escudos com pequeno-almoço incluído e 300$00 por encomenda de prato tradicional. A comunidade já recebe até marcações da agência Novatur, onde são promovidos pacotes de estadias.

Os Rabelados são uma comunidade que é actualmente conhecida pela sua grande capacidade de expressão espiritual e artística. Os seus quadros e artesanato estão muito bem reconhecidos nos circuitos artísticos internacionais.

Contactos

Morada
Aldeia de Espinho Branco

Contactos

Tlf: Contacto de marcação: 998 45 84

Comentários